“Quitute” pode salvar Eduardo Cunha

Quem diria que o velho “quitute”, aquela carne enlatada que os brasileiros conhecem tão bem, poderia salvar Eduardo Cunha do processo na Comissão de Ética da Câmara Federal. Para não ser afastado da presidência da Casa, Eduardo Cunha, acusado pela Procuradoria Geral da República de ter recebido pelo menos US$ 5 milhões em propina do esquema de corrupção,  vai alegar na defesa  que desconhecia a origem do depósito de 1,3 milhão de francos suíços feitos em 2011 em um fundo do deputado na Suíça e que todo o dinheiro que tem fora do País é fruto de venda de carne enlatada para a África e de operações no mercado financeiro.

Compartilhe

Jornalista