Hiper Bompreço Ponta Negra tem 120 dias para realizar obras de acessibilidade

O juiz Bruno Montenegro Ribeiro Dantas, da 14ª Vara Cível de Natal, condenou o Bompreço Supermercados Nordeste Ltda. à promover a adaptação física do prédio onde se encontra estabelecido o Hiper Bompreço Ponta Negra, visando a garantir o pleno acesso, a circulação e a utilização por pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida em todo o ambiente, nos termos da legislação vigente e seguindo as normas da ABNT 삼국지8 무설치.

Com a sentença judicial, o Supermercado tem o prazo máximo, fatal e improrrogável de 120 dias, sob pena de multa de R$ 3 mil por dia de atraso na realização das obras, valor a ser revertido para o Fundo Municipal da Pessoa com Deficiência Download the photo.

Narra ação, a 42ª Promotoria de Justiça de Natal afirmou que recebeu, em 29 de novembro de 2007, reclamações acerca da não observância das normas de acessibilidade nas instalações da loja Hiper Bompreço Ponta Negra Unlimited download of on-disk 30 days. Em seguida, foi realizada vistoria de acessibilidade, oportunidade na qual contatou-se que o estabelecimento não estava acessível às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida Chrome YouTube 4k.

O diretor da loja Hiper Brompreço Ponta Negra se comprometeu, perante a representante do órgão ministerial, a remover as irregularidades apontadas no laudo, no prazo de 240 dias 파이어폭스 웹브라우저. Todavia, decorrido o prazo fixado e diante de novo laudo técnico apresentado, ficou evidente que não foram levadas a cabo as alterações estruturais necessárias para a garantia da acessibilidade Download Lukis Graduation.

Na fundamentação, avocou o art. 227 da Constituição Federal, a Convenção sobre os Direitos da Pessoas com Deficiência, a Convenção Interamericana para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Pessoas Portadoras de Deficiência, a Lei n don't starve 다운로드. 10.098/00 e o Decreto n. 5.296/04.

Defesa

Por sua vez, o Hiper defendeu que a maioria dos itens constantes das determinações do Ministério Público já foram atendidas e que as obras que remanescem pendentes demandam estudo prévio de impacto ambiental, paisagístico, arquitetônico e até mesmo de comunicação visual, exigindo maior tempo para serem implementadas 아이폰 이모티콘.

Alegou também que a obrigação específica de possibilitar o acesso aos portadores de deficiência física ou com mobilidade reduzida a logradouros privados ou de uso público não é providência que caiba, com exclusividade, ao estabelecimento, já que depende da própria iniciativa estatal, por intermédio de políticas públicas 겁쟁이 페달 2기 다운로드. Assim, apontou algumas providências que devem ser corporificadas pelo Poder Público.

Realçou que tem envidado esforços para cumprir todas as exigências, muito embora o prazo fixado pelo Ministério Público afigure-se insuficiente, de modo que todas as determinações do MP ou já foram suficientemente cumpridas ou estão em fase de conclusão, não havendo razão para o estabelecimento de multas para eventual descumprimento Download fpwin gr.