Reitor da UFRN discute cortes orçamentários

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) participou nesta segunda-feira, 9, de audiência pública virtual da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, que debateu os cortes realizados nos orçamentos das Instituições Federais de Ensino Superior da região Nordeste.

O reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, foi um dos palestrantes do evento, onde defendeu a recomposição do orçamento atual e alertou para a possibilidade de novos cortes em 2022.

O gestor detalhou que as universidades enfrentam reduções desde 2014, quando o orçamento era de R$ 7,4 bilhões, enquanto em 2021 o valor chegou a R$ 4,5 bilhões. Da mesma forma, na região Nordeste, houve redução de aproximadamente 60% em comparação a valores de 2014 atualizados, cujo impacto atinge despesas essenciais para o funcionamento das atividades acadêmicas e administrativas, como os pagamentos de contratos de terceirização e despesas de energia elétrica.

A perda em 2021 no conjunto das universidades alcançou aproximadamente R$ 1 bilhão, o que representa 18,5%. Na UFRN, o orçamento de capital deste ano chegou a zero, o que significa a indisponibilidade para a continuidade de obras, a compra de equipamentos e materiais permanentes necessários ao funcionamento da instituição. O reitor advertiu para o cenário em 2022, que pode adicionar cortes ao orçamento de custeio.

A previsão foi avaliada após o Ministério da Educação (MEC) enviar um ofício na última sexta-feira, 6, para a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), sobre a elaboração de proposta para que sejam detalhados os limites orçamentários de 2022. “Nesse sentido, peço permissão para sugerir à Comissão que acompanhe o planejamento de orçamento junto ao MEC. Nenhuma das universidades comporta mais redução em relação a 2021”, ressaltou.

Compartilhe

Jornalista